Eduardo Brock exalta comissão de Pezzolano: “Vivem o Cruzeiro, e isso também faz a gente viver”

  • Barbara Dias 
Um dos líderes do elenco, zagueiro ressalta perfil tranquilo de uruguaios fora do campo.

O Cruzeiro começa o ano com quatro vitórias em cinco jogos no Campeonato Mineiro. Bom início de Paulo Pezzolano, que chegou ao clube em janeiro, com outros três profissionais uruguaios: Martín Varini (auxiliar), Gonzalo Álvarez (preparador físico) e Matías Filippini (analista de desempenho). O trabalho do quarteto vem sendo muito bem avaliado internamente no Cruzeiro, por diretoria e elenco.

Em entrevista ao ge, Eduardo Brock, um dos líderes do elenco, ressaltou que as ideias de jogo do treinador e o entrosamento dos jogadores estão sendo facilitados pelo perfil trabalhador dos uruguaios.

“É uma comissão técnica que trabalha demais. Eles realmente vivem o Cruzeiro, e isso faz com que a gente também viva o Cruzeiro, treine muito, se conheça muito.”

– Aos poucos a equipe vai se encaixando, as peças vão se encaixando, e isso é importante. O time tem que dar uma liga, e é isso que eu acho que está acontecendo.

Outra tática de Paulo Pezzolano tem sido rodar o elenco. Ao mesmo tempo que poupa os jogadores de desgaste físico, ele consegue observar possibilidades em relação ao time. Uma prática que vem sendo mais comum no futebol brasileiro nos últimos anos, principalmente com a presença de técnicos estrangeiros.

Eduardo Brock gosta da ideia. Acha que mostra aos jogadores que todos são importantes, independentemente de quem está atuando como titular ou entrando na segunda etapa.

– Ele está dando oportunidades a todos, o que também é importante, porque no Brasil é algo que não acontece muito, porque joga conforme resultados. Aqui ele está conseguindo implantar isso, mas com resultados, porque estamos tendo resultados positivos. Isso é gratificante, porque é fruto do trabalho da comissão e dos atletas.

“(…) Eles cuidam da mesma forma de todos os jogadores, o que é importante também

Brock deu assistência para Edu marcar de cabeça

O futebol brasileiro também tem se notabilizado por alguns treinadores com dificuldades no trato com o grupo fora das quatro linhas. E também tem passado por aqui alguns estrangeiros de personalidade forte, como Jorge Sampaoli e Jorge Jesus. Os uruguaios do Cruzeiro são de fácil trato.

Fonte:ge.globo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.