Crucial para o Galo findar 42 anos sem um grande título, R10 completa 42 nesta segunda-feira

Lembra daquela arrancada de antes do meio de campo no Independência, deixando os cruzeirenses para trás e colocando no canto esquerdo do goleiro Fábio? E daquela cobrança de falta, resultando num golaço contra o Figueirense, remetendo ao lance épico dele mesmo diante da Inglaterra na Copa do Mundo de 2002? E daquela bola colocada no ângulo do Arsenal de Sarandí, no Horto, local onde o Bruxo nunca perdeu trajando o manto alvinegro? Pinturas de autoria de um gênio alvinegro que, nesta segunda-feira (21), completa 42 anos.

Maestro do Atlético de 2012 a meados de 2014, Ronaldinho Gaúcho nasceu em 21 de março de 1980; defendeu Grêmio, PSG, Barcelona, Milan e Flamengo, antes de escrever seu nome definitivamente na história do Galo e ajudar o clube a reencontrar o caminho das grandes conquistas. Sempre com um sorriso no rosto. Sorriso este que tantas vezes o ídolo/fã Maradona exaltou. E que tantas vezes foi replicado por milhões de atleticanos.

Com a bola nos pés, R10 – ou R49, como era chamado em 2012 –  se tornou o novo Rei do Atlético – “coroa” cedida pelo eterno Rei Reinaldo. Em sua “dinastia”, foi crucial para elevar o nome do Galo, com a classe de quem impressionava até mesmo quando não fazia um gol – quem também não se lembra daquela jogada contra o São Paulo, no Independência, pela Libertadores, em que ele deixou vários marcadores desnorteados e só errou na finalização? O lance impressionou tanto que até o erro não pareceu erro. Parece ter feito de propósito só para arrancar “uh” e aplausos da audiência do anfiteatro do Horto.

Autor de 28 gols em 88 partidas pelo Alvinegro, melhor jogador do Brasileirão de 2012 – quando bateu na trave na busca pelo título –, campeão mineiro e da Libertadores de 2013, ganhador da Recopa Sul-Americana de 2014, deu ao “Papai Kalil” motivos para se sentir orgulhoso, fez valer toda a confiança depositada pelo saudoso diretor de futebol Eduardo Maluf e convidou toda uma Massa a rir e a sorrir com ele.

Quarenta e dois anos do Bruxo que findou uma espera de 42 anos de um título expressivo a um gigante que hoje é o atual campeão mineiro, brasileiro e da Copa do Brasil. Pois é, Ronaldinho realmente ajudou a recolocar o Galo no “mapa”.

Fonte: Hoje em Dia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.